Cultura





14/06/2016  14:33

Festival promove gastronomia e diversão em Mangaratiba


Gastronosdsdsmia-Curso.jpg

Pelo menos 10 mil pessoas passaram pelo Festival Gastronomia do Mar que movimentou Mangaratiba no último final de semana com workshops gratuitos, concurso culinário e show de Leoni na Praça Robert Simões. O evento, que está em sua 5ª edição, é o primeiro organizado na Costa Verde, sendo promovido pela Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) em parceria com o Sistema Fecomércio-RJ.


Entre os dias 27 e 29 de maio, os restaurantes participantes apresentaram pratos exclusivos produzidos com espécies diferenciadas de pescado, os quais foram avaliados por chefs convidados que elegeram o que mais se destacou. O grande vencedor foi o Restaurante Oceano, da proprietária Tania David, que elaborou uma caldeirada de frutos do mar preparada com congo negro, lula, polvo e mexilhão. A escolha foi feita por comissão formada por cinco chefs do Senac RJ que avaliaram os quesitos apresentação, criatividade, sabor, temperatura e atendimento dos sete restaurantes concorrentes. O segundo lugar do concurso ficou com o Restaurante Mirante e o terceiro com o Nami Sushi Praia.


Durante o evento, os chefs também realizaram oficinas para crianças e adultos, além de workshops sobre "Beneficiamento Artesanal de Pescado", ministrados por técnicos da Fiperj e alunos do curso de gastronomia do Senac.


De acordo com o presidente da fundação organizadora do evento, Essiomar Gomes, Mangaratiba foi escolhida para receber o projeto por ser um dos principais produtores de pescado da Costa Verde. "É importante criar oportunidades para incentivar o consumo e beneficiar tanto os produtores locais quanto o turismo da região, principalmente em um momento de crise como o que o país está vivenciando", comenta.


Essiomar garante que esta é apenas a primeira de diversas propostas a serem implementadas na localidade, explicando que no evento que divulgou o Mapa Estratégico do Comércio, ocorrido no mês de março, foram sugeridas 135 propostas para a Costa Verde, como a criação de um calendário de eventos e de um polo gastronômico. "Queremos fomentar esse polo, pois onde ele é implantado facilita muito a vida dos empresários e produtores, além de contribuir para o desenvolvimento local", explica.  


Este foi o primeiro de três eventos a serem promovidos na Costa Verde. As próximas edições acontecem no mês de junho, em Paraty, e julho, em Angra dos Reis. O Festival Gastronomia do Mar foi criado em Niterói no ano de 2011 pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap) - à qual a Fiperj é vinculada - com o objetivo de fomentar o turismo gastronômico e a economia local, congregando a vocação de cidade produtora de pescado com a presença de bons restaurantes. Após grande sucesso, o Sistema Fecomércio-RJ abraçou o projeto, juntamente com outros parceiros, que agora trazem a ideia para a região da Costa Verde.





68b3fd33d41c42e9a83884feab588d6f.jpg

14/06/2016  14:07


Universitários ganham horas complementares trabalhando como mesários nas eleições


Estudantes de 39 instituições de ensino superior do estado do Rio de Janeiro poderão ganhar até 80 horas de atividades complementares (horas HAC) se trabalharem como mesários nas Eleições 2016. A iniciativa faz parte de uma parceria firmada entre o Tribunal Regional Eleitoral/RJ e diversas instituições de ensino superior, como a Cândido Mendes, Estácio de Sá, UniRio, UFRRJ, Veiga de Almeida, entre outras.

O número de horas HAC a serem concedidas ficará a cargo de cada instituição participante. O estudante que for mesário também terá direito a dispensa do serviço pelo dobro de dias de convocação, sem prejuízo de salário, vencimento ou qualquer outro benefício.

Nas eleições de 2014, pelo menos 54% dos mesários que atuaram no estado eram voluntários. Os interessados em participar podem se inscrever em seu cartório eleitoral ou pelo site www.tre-rj.jus.br





14/06/2016  13:51

Josias Sebastião da Silva:

de vendedor de picolé a advogado de sucesso


site.jpg

Nascido no Rio de Janeiro, em família humilde e criado em meio à muita dificuldade, o advogado e corretor de imóveis Josias Sebastião da Silva mal podia imaginar que sua vida se tornaria uma progressão de sucessos. Pai de 3 crianças e em seu segundo casamento, o filho de nordestinos, que vieram para o sudeste do país tentar uma vida melhor, aprendeu desde cedo a importância do trabalho duro.


Ainda que sendo o caçula de quatro irmãos, desde pequeno aprendeu o valor do trabalho duro, mesmo quando, aos 6 anos de idade, todos os domingos saía de Guadalupe com a família para vender produtos como milho cozido, cachorro quente, entre outros gêneros alimentícios, em uma barraquinha próxima à praia de Conceição de Jacareí. Enquanto os irmãos e os pais atendiam os clientes na lanchonete improvisada, o menino pegava o seu pequeno isopor e ia até os turistas oferecer picolés. Apesar da infância difícil, engana-se quem pensa que Josias considera um problema ter começado a trabalhar tão cedo para ajudar a família: "a dificuldade serve para nos determinar a crescer mais, pois quando você sai da zona de conforto, é possível ir bem mais longe. E se eu tivesse ficado acomodado, não teria chegado até aqui", reflete.


E, realmente, Josias jamais se acomodou, e permaneceu trabalhando com o pai até a juventude, buscando sempre estudar e se preparar da melhor forma possível para as funções que exerceu. Foi essa determinação que o levou a começar a atuar no ramo de imóveis com apenas 18 anos e a sonhar em ser advogado. "Comecei a trabalhar como corretor e esse emprego me ajudava a pagar a mensalidade da faculdade, o combustível, os materiais de estudo, os cursos da área imobiliária que eu fazia, e, graças a Deus, eu ainda conseguia ajudar na capacitação de outras pessoas que necessitavam trabalhar também", explica.


Josias foi o primeiro membro de sua família a conquistar um diploma de ensino superior e conta que precisou se esforçar muito para dar conta do trabalho e dos estudos, mas se sente satisfeito por ter seguido adiante com o sonho de advogar. "Com certeza, foi um período difícil, porém, muito gratificante, porque proporcionou crescimento pessoal. Além disso, eu estava muito focado na minha formação, pois sempre achei muito digno o trabalho do advogado, que está lá para defender quando as pessoas são injustiçadas, e era isso que eu desejava: fazer a diferença na vida das pessoas."


Logo após se formar, Josias passou em um concurso para a Defensoria Pública de Mangaratiba, onde trabalhou por dois anos, até que optou por advogar, por sentir  que teria mais liberdade para exercer a profissão. Por aproximadamente 10 anos atuou junto à OAB de Angra dos Reis, onde começou a perceber a carência jurídica que existia na região de Mangaratiba. "Notei que muitos clientes de Mangaratiba iam procurar advogados em Angra, foi aí que decidi me dedicar mais a essa região, onde tenho um escritório de advocacia e uma imobiliária, e acredito que não poderia ter tomado decisão melhor", comenta.


Apesar de ter progredido em relação aos primeiros anos de sua vida, Josias não se considera especial ou uma pessoa de sorte, acreditando que suas conquistas são frutos de muita dedicação. "Tudo que eu alcancei eu devo a Deus e ao esforço constante. Me sinto realizado, e até hoje trabalho muito, minha equipe e eu, porque ninguém vai muito longe sozinho. Ter alguma ambição, ter vontade de crescer, é muito saudável. E se você cresce dentro da ética, ajudando a abençoar outras pessoas, com certeza chegará mais longe", completa.


Além do ramo de imóveis, Josias atua nas áreas de Direito Cível, Família, Trabalhista e Imobiliário. Ele também é membro da Associação Brasileira de Advogados do Mercado Imobiliário (ABAMI) há 18 anos e atua na diretoria da OAB de Angra dos Reis há aproximadamente 10 anos.  A quem, assim como ele, também tem grandes ideais, o advogado deixa um conselho: "acredite em Deus e em si mesmo, na sua capacidade, porque assim você pode perseguir seus sonhos e chegar aonde quiser, buscando todos os meios para alcançar seus objetivos. E se cair, que tenha forças para levantar e continuar, mas nunca perca de vista os seus sonhos", finaliza.





14/06/2016  14:02

ONG que auxilia desempregados fecha por falta de apoio


site2.jpg

Em um período de crise em que o número de desempregados no Brasil chega a 11 milhões de pessoas, a chefe de bar Hercília da Conceição Ramos, 57 anos, é um exemplo de luta contra o desemprego. Há cerca de 10 anos, a mangaratibense se esforça para ajudar trabalhadores de diversas áreas a retornar ao mercado.


O entusiasmo em ajudar sempre esteve presente em sua família, já que seu pai teria sido um responsáveis por levar energia elétrica e água para o município. Desta forma, Hercília e seus irmãos foram criados sempre pensando no bem estar coletivo e em como ajuda aqueles que necessitam.


A missão de recolocar profissionais no mercado de trabalho, no entanto, começou de repente, quando Hercília tinha um programa em uma rádio comunitária e recebia muitos pedidos de ajuda, vindos de pessoas que já não tinham mais a quem recorrer.  "Durante o horário na rádio, as pessoas começavam a me ligar para pedir socorro, pois precisavam trabalhar e não conseguiam. Foi quando uma amiga e eu começamos a fazer uma espécie de mediação entre empresas que tinham vagas para ofertar e pessoas disponíveis para o serviço", conta.


O auxílios às pessoas foi crescendo e Hercília criou uma ONG para ajudar a administrar o trabalho que, além de recolocação, proporcionava oportunidades de capacitação para pessoas com dificuldades para conseguir emprego. "A gente conversava com as empresas para conseguir  bolsas integrais em cursos de capacitação, técnicos, profissionalizantes e até de graduação. Foram muitos os beneficiados e tenho muito orgulho de saber que colaborei para a formação de psicólogos, técnicos de enfermagem, vigilantes, mecânicos, entre outras categorias profissionais", relembra.


Além de atuar na área de recolocação e capacitação profissional, a ONG também atendia a pessoas de baixa renda auxiliando na aquisição de alimentos, roupas, remédios, cadeiras de rodas, atendimento médico, cirurgias etc. O trabalho, no entanto, está atualmente parado, pois como a organização era sustentada através de doações, não possuindo meios de arrecadação financeira, não foi possível dar continuidade às ações. Segundo Hercília, a ONG solicitou ajuda do poder público recorrendo à Prefeitura de Mangaratiba e a alguns vereadores, mas não obteve o apoio tão necessário. "Chegamos a um momento em que não foi possível levar adiante porque precisávamos tanto de ajuda financeira quanto de pessoas para ajudar nos trabalhos da ONG. Hoje eu ainda ajudo algumas pessoas, mas o trabalho intenso que tínhamos antes, não deu mais para fazer e me entristece ver que o poder público cobra do povo, mas não faz o que precisa", lamenta.


Hoje, Hercília sonha em conseguir retomar o trabalho da ONG, principalmente, por se preocupar com a situação do país e da região em que vive. "Se tivesse apoio eu voltaria com a ONG imediatamente, mas muitos não querem sentir a dor de se doar para os outros, de viver pelo outro. Eu queria muito também desenvolver um projeto para tirar os jovens das ruas, dando condições de trabalho, de estudo, de capacitação, para que eles saibam que têm apoio para chegar aonde quiserem e não precisam se envolver com a criminalidade", completa Hercília.





16/05/2016 11h52

Aos 90 anos Messias Neiva conta

a sua vida em forma de poesia


saafas.jpg

 No próximo dia 20 de maio, o pintor e escritor Messias Neiva lança sua biografia Poeta dos Anjos, escrito em parceria com a pesquisadora da Unicamp Rosimar Alencar Silva Barbosa, em evento na sede da Academia Duquecaxiense de Letras e Artes. O livro também teve cerimônia de lançamento em Mangaratiba, ocorrida na Fundação Mário Peixoto, no último dia 15 de abril. A obra conta um pouco da história do artista misturada à poesia, uma arte que também se tornou a paixão de Mestre Messias, como é conhecido em Conceição de Jacareí. 


 Dono de uma memória incrível que, mesmo aos 90 anos, permite lembrar dos mínimos detalhes de tempos remotos, Messias também é um exímio contador de histórias. Na biografia, narrada de forma leve que mais lembra uma conversa entre amigos, é possível conhecer detalhes sobre a infância humilde e o desenvolvimento do artista, bem como o despontar para a fama, tendo obras expostas em diversos países.


 Conversar com Messias Neiva é como viajar no tempo. Sua fala mansa e sabedoria prendem o interlocutor que, ao começar a ouvir suas histórias, não consegue parar até conhecer todos os detalhes. Foi daí que começou a paixão pelas palavras e o desejo de escrever livros. "Eu amo a filosofia, eu amo a poesia. Todos os pintores são poetas porque amam e são inspirados no amor. Como os pintores também sabem escrever, eles também expressam nas letras aquilo que amam. O poeta é um verdadeiro amante da natureza", filosofa o autor.


 Ao desenvolver um glaucoma, tendo por consequência a dificuldade na visão, Messias Neiva precisou parar de pintar e agora dedica boa parte do seu tempo à arte da escrita. Por conta do problema nas vistas, ele conta com a ajuda de outras pessoas para passar para o papel todas as suas criações. "O meu livro eu escrevo na minha cabeça. Por exemplo, eu deito à noite e crio a história, desenvolvo aquilo na minha mente e memorizo. No dia seguinte, eu sento no computador com a minha neta e dito para ela tudo que está guardado enquanto ela digita no computador", explica o escritor que já está produzindo o seu próximo livro, dessa vez uma história infantil, ainda sem título, com previsão de lançamento para o ano que vem.


Vida simples e plena


 Messias Neiva nasceu no ano de 1925 em Bom Jesus do Itabapoana/ES. Descendente de escravos por parte dos bisavós e avós, seus pais nasceram livres, porém, eram muito pobres e trabalhavam como lavradores em fazendas de café. "Nasci num barraco de sapê, de chão batido, onde até cobra dormia naquele cômodo. A gente pequeno andava sem roupas porque a gente era pobre e não tinha nada para usar. Daí, minha mãe tinha uma amiga que levava uns sacos brancos de trigo, cortava e dava pra gente vestir", relembra Messias.


 Depois ser levado para viver com o pai e, em seguida, passando a maior parte da infância e adolescência fugindo por conta de suas travessuras, viveu uma temporada em Vitória e em Cachoeiro do Itapemirim, onde, segundo ele, começou a desenvolver de fato o seu amor pela pintura. "Era criança e aos 15 anos gostava muito de pintar, mas desde os 10 eu já manifestava esse desejo quando desenhava no caderno da escola imagens de boi, vaca, anjinho. Pintava também o convento de Nossa Senhora da Penha, pois sempre fui ligado à igreja", conta.


 Aos 20 anos, o jovem vai buscar emprego em Duque de Caxias, onde trabalha como cartazista, já demonstrando talento com as tintas. Foi em 1969 que efetivamente se lançou como pintor, recriando nas telas paisagens e acontecimentos marcantes de sua vida. Uma das principais características de suas obras é a presença de negros e brancos partilhando o mesmo ambiente, as mesmas atividades e o mesmo espaço na sociedade, como forma de reforçar a ideia de equidade entre pessoas, independentemente de cor ou raça. "Na minha imaginação, o negro e o branco são a mesma criatura, sempre empenhados na mesma tarefa. O negro não vive sem o branco e vice-versa. Eu democratizei a coisa e nas minhas pinturas você vê que brancos e negros estão sempre em pé de igualdade", observa o pintor.


 Procurando sempre ver algum lirismo na vida, ao ser perguntando sobre o segredo de sua longevidade e vigor, a resposta é imediata: "o segredo para viver bastante e chegar bem até aqui é amar bastante, não ter maldade no coração, perdoar sempre e, claro, não fumo, não bebo e não faço uso de drogas", completa.


Preocupação com o social


 Consciente sobre a importância de promover oportunidades educativas e recreativas na sociedade em que vive, há um ano o artista, em parceria com familiares e amigos, criou o Espaço Cultural Messias Neiva - organização não-governamental sem fins lucrativos - com o objetivo de disseminar a cultura popular por meio de cursos gratuitos, palestras, exposições, atividades esportivas etc. Atualmente a ONG conta com 13 cursos, entre eles o de alfabetização de adultos e corte e costura. "Temos sempre que cuidar da parte social e financeira da nossa comunidade, pois a nossa vida depende disso. Nós precisamos educar e preparar as novas gerações, por isso estamos criando aqui uma nova sociedade, um novo conceito do pessoal de Conceição. Aqui todos têm o direito ao lazer e isso é muito gratificante", finaliza cheio de sabedoria o artista.





4ab6163d426943548cce2373f2e806b0.jpg

16/05/2016 11h43

Restaurante Mirante promove verdadeira experiência gastronômica

Com uma visão privilegiada da enseada de Muriqui e cercado por Mata Atlântica, o Restaurante Mirante proporciona uma experiência única de gastronomia aliada ao contato com a beleza estonteante da Costa Verde. Ainda que servindo uma vasta gama de iguarias feitas de massas e carnes, além de culinária vegana, especializou-se nos frutos do mar, sendo um dos seus pratos clássicos a famosa Moqueca de Peixe que já chega à mesa borbulhando aroma, sabor e apresentação inigualáveis.

E é exatamente assim que o Cheff Giovani Maciel, no comando da cozinha, quer que cada cliente perceba seus pratos: como em uma experiência única onde a "aparência do alimento prenda o olhar e surpreenda ainda mais ao sentir o gosto". O Cheff descobriu a paixão pela culinária ao ver seu pai, o empresário Francisco Maciel, se dedicando com tanto carinho em tudo que fazia na cozinha, fosse em casa ou no restaurante, inaugurado em 2011.

Depois de fazer cursos na Itália e na Espanha, e de trabalhar em São Paulo com o famoso Cheff Massimo Ferrari, Giovani decidiu dedicar-se aos negócios da família, onde tem toda a liberdade para inovar nos sabores. "Sempre pensando em como as pessoas vão se sentir ao experimentar o que é preparado, estamos constantemente renovando os pratos, buscando sair da mesmice e tentando encontrar formas de agradar os diversos paladares", destaca o Cheff que, além de atuar no Mirante, comanda o Gio Gastrobar em Muriqui, e tem intenções de expandir os negócios abrindo um novo Gio em Itaguaí.


Tal pai, tal filho

Orgulhoso do trabalho que vem sendo desenvolvido por Giovani, Francisco Maciel também tomou gosto pela culinária desde cedo, tendo descoberto seu apreço pelos frutos do mar por meio do convívio com o pai e o avô, que eram pescadores. Empreendedor nato, Chiquinho, como é conhecido pelos amigos, inicialmente utilizava o local como um sítio de lazer. Para atender os visitantes, decidiu abrir uma barraca para fornecer alimentos, e foi a partir daí que surgiu a ideia do Restaurante Mirante. "Eu montei uma barraquinha onde fazia costela no bafo, peixe assado, entre outras coisas para vender para o pessoal que vinha pra cá nos finais de semana. Com o tempo, a coisa foi crescendo, tomando proporção, até que resolvemos fazer o restaurante e agora tenho os meus filhos trabalhando ao meu lado, fazendo o que mais gostamos: servir bem", destaca Francisco.


O Restaurante Mirante está localizado à Rodovia Rio-Santos, KM 421 (antigo KM 31), em Muriqui, Mangaratiba/RJ. O horário de funcionamento é de quarta a domingo e feriados, das 12h às 17h.
Informações e reservas pelo telefone: (21) 2780-1267.  




25/04/2016 10h52 Atualizado em 26/04/2016 14h25

Mangaratiba recebe o primeiro evento internacional de motociclistas


c3b1dbe366e74796820926045a54fffe.jpg
7a66c0f48ff547f090453c3561cac2a7.png

Mangaratiba já se prepara para receber pela primeira vez um evento internacional de motociclistas. Nos dias 11, 12, 13 e 14 de agosto acontece o 1º Mangaratiba Bike Fest 

Internacional, promovido pela Prefeitura de Mangaratiba em parceria com a União dos Motociclistas de Mangaratiba. De acordo com a vice-presidente do Mangaratiba Moto Clube e produtora do evento, Adriana Dahan, pelo menos 11 motoclubes de todos os distritos estão unidos para realizar ações e eventos diversos com o objetivo de fomentar o turismo na região. "Queremos ajudar Mangaratiba a entrar no corredor cultural da Costa Verde. A ideia é promover uma nova percepção de que Mangaratiba pode ser melhor, vai ser melhor. Precisamos resgatar a memória da nossa cidade e mostrar as nossas riquezas, o nosso valor natural e cultural", explica.


A produtora destaca que no ano passado cerca de 40 mil pessoas passaram pelo evento regional, o Mangaratiba Bike Fest. Durante os três dias de festa pelo menos 370 barracas de camping foram montadas no CIEP, acomodando participantes de 6 estados brasileiros. Segundo Adriana, a ideia é superar o alcance em 2016. "No ano passado tivemos uma enorme participação, com motociclistas vindo, inclusive, de Recife. E o melhor é que, mesmo com tanta gente reunida, não tivemos uma ocorrência sequer durante todo o evento. Tudo correu em paz e todos puderam se divertir com segurança. Com certeza o próximo será ainda melhor", finaliza.


O 1º Mangaratiba Bike Fest Internacional vai contar com a participação de 17 bandas locais, além de trazer uma novidade: uma tenda na praia com um juiz de paz para celebrar cerimônias de casamento.